Notícias antes do meu casamento

Meu noivo e eu.

Salve Maria! Gostaria de dar algumas notícias antes de receber o sacramento do matrimônio, pois tenho recebidos tantos votos de felicidades e orações por ele, que não posso deixar de mencionar o quanto isso é importante para mim. Pessoas que eu não conheço nem nunca vi, me escrevem, mandam e-mails, me adicionam no msn – às vezes eu nem consigo conversar com a pessoa, mas vejo lá uma mensagem: “leio seu blog, e só queria dizer que estou rezando pelo seu casamento”.  Isso é uma espécie de milagre, especialmente porque chegar até aqui foi muito difícil. Consigo entender a grandeza da nossa Igreja Militante – apesar das crises e dos problemas que enfrentamos atualmente – quando alguém se oferece para me mandar um presente apenas porque está tão tocado com o meu casamento, que precisa me mandar alguma coisa. Isso é um milagre: é a prova de que Deus está conosco, e nós com Ele.

Nos últimos meses tenho dividido com vocês apenas parte da minha preparação para o matrimônio  – pois este blog tem pouco tempo, e estou noiva há mais de dois anos [além de eu não ter escrito tanto quanto eu gostaria]. Na medida do possível, procurei registrar aqui o que eu aprendi nesses longos meses em que estive comprometida, certa de que chegaria o dia em que Vladimir e eu finalmente nos tornaríamos um só. E agora, que faltam poucos dias para isto acontecer, não consigo ter a real dimensão deste acontecimento… como na minha primeira comunhão e na minha crisma, estou perplexa diante dos acontecimentos. Realmente irá acontecer – é tão imenso que não sei como cabe na singela igreja onde faremos os votos. Surpreende-me que caiba no mundo! Mas assim é Nosso Senhor, que é Deus e coube no seio puríssimo de Nossa Senhora.

Deus não se cansa: todos os dias faz as mesmas coisas – põe o Sol no lugar, e tira. Todos os dias. Exatamente do mesmo jeito. Assim Ele fez comigo e faz com todas nós: esperei por muitos anos a chegada do noivo, e como todas as moças tive momentos de confiança e apreensão nesta espera. A paciência é a mais absoluta confiança de que Deus está fora do tempo e controla tudo. O que para mim foram longos nove anos de espera, para Deus já havia sido dado. Por isso eu exorto muitas a confiarem em Deus neste momento, pois tanto mais nos falte os socorros humanos, eis o sinal de que a providência vem em nosso favor. Não poucas moças, levadas por uma certeza quase inabalável de que o mundo já não oferece rapazes dignos e honrados, conformam-se e esquivam-se de fazer o pedido tal qual ele é: eu quero me casar, Jesus. Não pedem, e não há nada mais equivocado. Como Deus poderá conceder o que não ousa sair dos nossos lábios?

Situação delicadíssima, eu bem sei. E tanto mais porque não desejam que as mulheres sejam mulheres – ou seja, que façam aquilo que é tão próprio da alma feminina. É natural – para quem está destinada ao matrimônio – sonhar com a família, com o marido, com os filhos… o Céu têm se alimentado disso para preparar a alma do noivo. Nos anos em que rezei, não deixei de recomendar a alma do meu futuro marido a Nosso Senhor, para que enviasse o que eu não poderia fazer sem conhecê-lo. Agora vejo que muitas mulheres têm vergonha – é este o termo – de assumirem em suas orações que desejam casar e constituir família. Podem estar sendo levadas pela falta de confiança na misericórdia de Deus, para quem nada é impossível? Certamente que não. Antes, a ideologia, as pressões do mundo, o medo de parecer uma Amélia. Acham que lucram por esperar assim o marido, com tanta despretensão. Imagine se fôssemos pedir o Céu com o mesmo espírito! Se a moça recebe a vocação do matrimônio, então o marido é indispensável à salvação. Eis o quanto vale pedir a Deus que ele venha.

Deus tem seus caminhos perfeitíssimos para nos santificar, se assim nos submetemos. E é fato igualmente verídico que tanto a nossa vontade, quanto nossas convicções nem sempre estão de acordo com a providência divina. O desespero vem quando nos recusamos a aceitar uma das consequências que advém da própria situação em que nos encontramos: se estou doente, eu posso ou não me curar. Nosso pedido não pode jamais estar baseado numa não aceitação de um dos caminhos, pois tudo aquilo que pedimos deve estar comprometido primeiro em fazer a vontade de Deus. É verdade que eu posso pedir o matrimônio e receber outra coisa: todas nós sabemos disso. Cabe reconhecer que Deus é perfeito, e portanto, não pode fazer nada contrário a esta perfeição: nos deu em verdade o que era melhor.

Em contrapartida, não estamos desobrigadas da prece. Deus assim o provou: lembremos do belíssimo sermão sobre os passarinhos: não semeiam, mas ainda assim Deus os alimenta. “Não penseis – diz o Salvador – que comeremos? que beberemos?“, pois tudo isto será nos dado em acréscimo se buscamos o reino de Deus. Isto pode levar alguém a crer que é errado pedir o alimento cotidiano, se sabemos que Deus provê tudo? Absolutamente. O mesmo Deus nos ensinou a pedir o pão de cada dia, no Pai Nosso. Eis a Sabedoria Divina! O alimento não deve ser uma preocupação, mas rezamos diariamente por ele! Tomai isso como exemplo para ti, e verá como as coisas são resolvidas.

Meu casamento (será na próxima semana) não acontecerá sem as dificuldades que todos enfrentam quando recebem tantas graças. Vladimir e eu passamos por provações, pois elas servem para nos santificar e nos dar a oportunidade de sermos fiéis a Deus. Existe uma frase de Paul Bourget que eu considero muito tocante e sábia: “Cumpre-se viver como se pensa, sob pena de, mais cedo ou mais tarde, pensar como se viveu.” Que significados podemos tirar dela?

Com as provações é que vivemos de fato. Ninguém vive sem fazer uma escolha, ninguém pode ter fé se não sai do conforto. A necessidade de viver como se pensa parte de uma realidade desafiadora: é o momento em que renovamos o batismo, e temos a nossa vida interior fortalecida pelos méritos de Jesus Cristo. É a fidelidade aos princípios, a Deus, aos mandamentos. Se isto não molda verdadeiramente a nossa vida – isto é, se não procuramos concretamente corresponder e viver o evangelho nas mínimas coisas, então não estamos vivendo como pensamos. Eu devo acreditar no matrimônio não apenas enquanto as coisas se encaminham gloriosamente para ele, mas também quando isto exige de mim sacrifícios.

Nós fazemos isto o tempo todo: defendemos a abertura à vida, a prole numerosa, a grande família católica que nos deu tantos santos (lembremos de Santa Catarina de Siena, que veio após vinte irmãos, por exemplo) … mas muitas maquinam escapar do grande número de filhos usando – dizem – os métodos naturais permitidos pela Igreja. São permitidos, de fato – só esquecem de aprender as condições. Assim começam as moças dos nossos dias: ” Ter muitos filhos é ótimo, mas eu…” – e se inicia uma longa jornada de justificativas, onde as mães dos nossos santos no passado tiveram menos (em muitos termos: financeiro, principalmente) do que nós, mas tinham igualmente uma grande generosidade e confiança em Deus que nós recusamos. Defendíamos a prole numerosa, sim – mas isso era antes de nos darmos conta de que casamos aos 25 anos e temos uma chance de conceber mais de 10 filhos. Se agimos assim, é quando deixamos de viver como pensamos, e começamos a pensar como estamos vivendo. São as “justificativas”: e as pessoas chegam às mais temíveis conclusões para justificar o que andam fazendo.

Santo Agostinho ensinava que o homem tem tanto amor à verdade – no sentido natural, pois a mentira e a falsidade são anti-naturais – que “odeiam a verdade por amor daquilo que tomaram como verdade“. Isto é real. Você pode começar agora este longo caminho do matrimônio dizendo que respeitará a santa submissão que a mulher deve ter ao marido – pois isto é sagrado – mas vivê-lo, no dia a dia, não será tão fácil quanto escrever um texto e colocar na internet. Você pode dizer que a vaidade e a falta de modéstia são contrárias às virtudes cristãs – mas poucas mulheres casadas passam incólumes ao fato de que a mulher envelhece mais rápido do que o homem. Você pode defender a educação em casa e acabar por sentir alívio de que a escola exista. Você pode sonhar em ser dona-de-casa em tempo integral por reconhecer que isto trará mais dignidade à sua família, mas acabar pressionada pelo o que o mundo diz de mulheres que fazem isso. “Cumpre-se viver como se pensa, sob pena de mais cedo ou mais tarde, pensar como se viveu“. Ou você realmente vive de acordo com os princípios que defende – ou terminará por pensar que “ter muitos filhos é um exagero” e que “a escola não está tão ruim assim” – apenas porque é o que você está fazendo: tendo poucos filhos e entregando-os na mão de outros.

Todas essas questões ganham uma dimensão realmente concreta quando nos casamos. Quando comecei a escrever A Noiva perante o noivo e Preparação para o matrimônio, não tinha plena certeza de que meu casamento aconteceria poucos meses depois. No nosso planejamento não havia nada definido – e portanto, calculávamos pelo menos 1 ano para subirmos ao altar. A perspectiva de ter acabado de me formar – e ter muito pouco ou mesmo nenhum tempo para exercer a profissão, por exemplo – bem como o fato de que ainda sou muito jovem e poderei (assim espero) ter muitos filhos, é tão real quanto os votos que farei na semana que vem. É chegado o momento de viver o que eu tanto esperei – o matrimônio – ou transformá-lo em outra coisa, caso a via-sacra do casamento se torne muito pesada para mim e eu decida transformá-la num “caminho da cruz com menos estações”.  As mulheres  podem fazer isto de “diminuir”, você sabe. Nas mãos delas estão muitas coisas, pois viver a vocação de esposa, mãe e rainha do lar exige muitíssimo.

Nossa Senhora revelou em Fátima que desejava ver os católicos fazendo muitos sacrifícios. A Irmã Lúcia contou, nas suas memórias, que queria saber que sacrifícios eram estes que as pessoas deveriam fazer para agradar mais a Nosso Senhor. Renúncias? Mortificações? A isto Nossa Senhora respondeu: “desejo que cada um cumpra com a sua vocação”. Pois de tal maneira isto é difícil para nós, que torna-se um sacrifício muito duro. Ser verdadeiramente mãe, pai, religioso ou religiosa: eis o nosso cilício! Para ser “mãe”, basta ter um filho – mas para cumprir a vocação, os sacrifícios são diários. Isto vai no ponto mais profundo de quem nós somos – como mulheres inseridas numa realidade contemporânea que nos é tão hostil. A maternidade não está nos planos deste mundo jovem, esguio, sem rugas e sem sofrimentos, com seu mercado de trabalho competitivo, planejamento familiar e status social. Há muitas mães que não precisam, mas trocam a companhia de seus filhos para passarem o dia todo fora, e ainda mais sob jugo de um homem (o chefe) que não é seu marido. A creche acaba sendo mais cara que o salário que ela recebe. Mas é preciso – elas reivindicam – viver os “nossos tempos”.

A confiança em Deus é o abandono à providência – ensina o evangelho. Por que sempre existiram mães que só podiam conceber um filho, ao passo que outras tinham mais de vinte? Porque Deus planeja melhor do que nós. Ele inventou isso – e, portanto, sabe quantos filhos enviar para cada mãe. Hoje nós queremos controlar tudo – e Jesus Cristo não pode enviar os santos, porque quando somos nós que decidimos tudo sozinhos, erramos a conta. Deus é perfeitamente generoso – nós queremos que o apartamento de dois quartos não fique tão lotado. Deus é perfeitamente sábio – nós achamos o colégio particular muito caro para tantas crianças. Deus é amor – somos nós que não sabemos amar as coisas certas. Nós precisamos ter mais confiança: Nosso Senhor venceu o mundo.

Por tudo isso, peço para que todos aqueles que conseguiram ter a paciência necessária para chegar até o fim deste texto, continuem ou comecem a rezar pelo meu casamento com Vladimir. Em uma semana estarei casada – e precisarei de todas as orações possíveis para começar este caminho. Meu casamento será muito simples, apenas a cerimônia religiosa (pelos motivos que expliquei em “Essencial para o casamento: as cerimônias”), de acordo com a vontade de Deus e nossas reais possibilidades aqui na terra. Estou tranquila, após algumas muitas lágrimas derramadas nos últimos dois meses. Absolutamente tudo que terei foi providência divina – sinto Nosso Senhor tão perto de mim. Sei que Deus e Nossa Senhora, juntamente com todos os santos e anjos, nunca deixam de olhar por cada um de nós – mas eu realmente experimento a sensação de que o Céu irá parar nos momentos em que estivermos fazendo os votos: somente porque diremos “sim”.

Agradeço uma vez mais todas as demonstrações de afeto e orações pelo nosso casamento – o que, graças a Deus, aconteceu com muita generosidade. Não será possível retribuir à altura. Deixo-vos com minhas próprias orações e com a foto da Igreja onde nos casaremos (na imagem, já anoitecendo, mas eu me casarei às 09:30 da manhã). Quando voltar de viagem voltarei para falar-lhes sobre este dia – e como muitos esperam, virei mostrar o meu vestido! Fiquem com Deus e a Santíssima Virgem!

 

Igreja de Santo Amaro de Ipitanga

 

Anúncios

15 comentários sobre “Notícias antes do meu casamento

  1. Oi, Lu, Salve Maria!!!

    Emocionei-me ao ler seu texto, porque sei exatamente o que é essa espera pela “pessoa de Deus”. Sim, confirmo o que você disse, é necessário querer mas também é necessário pedir. Deus pode nos dar nosso “José” se a gente não pede, mas Ele quer que peçamos. Eu pedi o meu e fui atendida. Sei que já prometi fazer um post sobre isso, mas não escrevo tão bem quanto você… um dia, quem sabe, eu consiga.

    Ah, se as mulheres soubessem o valor da missão que elas têm como mãe, esposa, educadoras… o demônio conseguiu cegá-las a ponto de fazê-las abdicarem de um dos postos mais nobres da humanidade: ser cooperadoras de Deus na obra da Criação e serem formadoras de santos!… pois é à santidade que somos todos chamados, e as mães têm papel fundamental nisso. Não foi São Pio X que disse algo como: “Dá-me mães verdadeiramente cristãs que eu lhe darei santos”?

    Digo-lhe, Lu, o casamento é um dia inesquecível. O meu foi um pedaço do céu na terra… A emoção é forte! No dia do meu eu estava tão feliz que a única coisa que sabia fazer era sorrir. E por incrível que pareça, não fiquei nervosa na hora, somente antes, mas quando cheguei na Igreja todo nervosismo passou, entrei super tranquila e calma na Igreja. Os últimos dias são um pouquinho estressantes, mas Deus ajuda a gente e no fim tudo dá certo. Eu gostaria de ter casado de manhã, mas por conta de parentes, distâncias, não deu, e acabei me casamento ao cair da tarde, que também foi bom, ainda estava claro e com sol. Seu casamento será lindo, com certeza. Uma vez uma pessoa me disse que depois que os noivos saem do altar suas almas brilham mais do que quando entraram…. Deve ser lindo ver isso da vista dos anjos…

    Desejo todas as bênçãos de Deus sobre você e o Vladimir. Que Deus os abençoe muito e lhes dê muitos filhos!!!!… Eu ainda estou na esperança de conseguir o meu primeiro ainda este ano, mas está difícil. Creio que Deus esteja me provando pela paciência, mais uma vez. Reze por mim também. Estarei rezando por vocês!

    Beijos!!! Ai que felicidade!!!!… Um Matrimônio santo é motivo de júbilo e festa no Céu!!

    • Salve Maria!
      Obrigada pelas palavras e orações… não vejo a hora de casar. Me faltam palavras para descrever este momento… espero que escreva sobre o seu encontro, pois você escreve bem sim, de onde tirou que não vai narrar a sua espera? Isso ajudara muitas moças, pois conheço muitas que andam tristes com a demora! Eu mesma fiquei uma época, achando que não viria… foi bem no ano que conheci Vladimir! É ou não providência divina? Nós realmente fomos feitos um para o outro, mal posso acreditar que vou me casar com ele *-*
      Continue me incluindo nas orações, pois estamos precisando!
      Fique com Deus

  2. Salve Maria!

    Luciana, além de dizer que vou rezar sim pelo seu casamento, não sei mais o que comentar, me emocionei com seu texto, chorei, antes de conhecer o seu blog e o das outras católicas eu tinha uma idéia muito limitada do que era o sagrado matrimônio, aprendo muito contigo, muito obrigada por dividir conosco o que aprendeu…

    Fique com Deus e que Nossa Senhora esteja no altar junto de vocês!

    • Salve Maria!
      Reze por mim, que estou sempre rezando por você, para que encontre logo o seu amor! Obrigada pelas palavras, eu só posso agradecer a presença de todas vocês na terra.
      Paz!

  3. Emocionei-me por demais com esse seu texto. Para mim, o mais bonito.

    Que a Sagrada Família derrame as bençãos sobre você, o Vladimir e os futuros filhos que, com certeza, Deus já começou a conceber no coração dEle.

    • Salve Maria, Karina
      Muito obrigada pelas palavras…. :) Estou também emocionada com o momento, eis tudo!

  4. Que texto maravilhoso.

    Que exemplo grandioso…

    Que Nossa Senhora, Rainha das Famílias, esteja ao lado de vocês em todos os momentos nesta nova etapa da vida.

    Abraço
    Rafael

  5. Olá!

    Acho que sou um dos poucos senao o único homem que acompanha o seu blog.

    FELICIDADES!!! Que Deus abençoe vc muito, que Nossa Senhora das Graças, os anjos de Deus e seus santos possam interceder por vc nesse dia especial e por todos os dias que se seguirão, q as dificuldades do dia a dia nao a desanimem e nem a seu futuro esposo.

    Mas pow, e a recomendação para os homens acharem uma mulher VERDADEIRAMENTE CATÓLICA? Eu só li recomendações para mulheres. rsss

    Para alguns de nós, ainda é dificil achar uma mulher que dê valor ao matrimônio, q nao esteja contaminada com pensamentos mundanos, feministas de mulher moderna. Acredite, o pensamento feminista contaminou muitas mulheres no seio da igreja,algumas vezes é até dificil dizer que há diferença entre elas e as moças do mundo.

    Fique com Deus.

  6. Salvé!

    Luciana, não consegue imaginar como fico feliz pelos dois!
    Não estivesse eu em Portugal, gostaria de os felicitar com um presente…
    no entanto, a Luciana e o seu noivo terão de se contentar com a minha probre oração, somente.
    Que Deus vos abençoe e lhes dê muitos e santos filhos! Que todos os que olharem para a família que irá constituir se lembrem da Família de Nazaré!
    E já agora, se algum dia vier a Portugal, não deixe de me contentar, ficaria muito feliz pr os receber!

    Lembrar-me-ei de vós na Santa Missa, diariamente!

  7. Luciana, Salve Maria!

    Este seu texto me fez pensar em mim e em meu namorado. Eis que casar tem sido o nosso maior desejo. Você diz tudo quando fala que as dificuldades são meios de que Deus se serve para nos manter firmes na fé e na confiança. Devemos ter paciência e acreditar firmemente na Providência Divina. Nenhuma recompensa chega sem os devidos sacrifícios, e zomba de Deus quem espera graças sem as orações e os sacrifícios cotidianos.

    Eu e meu namorado moramos em cidades diferentes e nos vemos bem pouco. A saudade e a distância nos fazem querer o casamento o quanto antes. Mas sabemos que os nossos planos nem sempre são os planos de Deus, e as dificuldades que nos aparecem dia após dia são um meio de fortalecer cada vez mais o amor que temos um pelo outro. As dificuldades sempre existem, e cabe a nós confiar em Deus e em sua Providência sempre tão presente. Às vezes não paramos para pensar em como Nosso Senhor nos vigia e nos guia pelos constantemente bons caminhos. Quantas vezes eu me achava perdida e logo após me sentia resgatada de novo e fazia os mesmos votos de sempre – de perseverar nas virtudes. Nosso Bom Deus tem tanta paciência com as nossas miseráveis forças, e sempre nos ouve em nossas orações, mesmo que estejamos cheios de pecados. Se existe arrependimento de verdade Deus se abaixa da Sua Magnificência e vem nos socorrer.

    Eu espero com a confiança de que tudo sairá conforme a vontade de Deus. A minha vontade, é por vezes um tanto quanto impaciente. Queria me casar logo! Mas sei que se assim não pode ser, devo manter a calma e a confiança. Ter paciência nessa espera fortalecerá o que sinto e chegará por fim a transformar-se em um amor divino, um amor de almas. Casar-me e ter filhos é uma vontade antiga. Desde a minha conversão, aos 19 anos, eu espero (e peço) o melhor marido de todos. Sei que ninguém é perfeito e na caminhada do matrimônio podemos encontrar um rio de defeitos recíprocos, mas já aprendi que nesta mesma caminhada a ajuda deve também ser recíproca, e que um deve ajudar o outro a santificar-se e crescer nas virtudes.

    Um casal que deseja contrair matrimônio deve pensar nas dificuldades que certamente virão, mas deve também pensar nas inúmeras graças que Deus promete aos que lhE são fiéis. Como não confiar em Nosso Bom e Amado Jesus que disse em alto e bom tom: “procurai primeiro as coisas do céu, que todas as coisas lhes serão acrescentadas”? Como ficar imune a tão desejosa promessa? Como podemos então nos submetermos aos pensamentos mundanos de que temos que ter isso ou aquilo para poder cumprirmos a vontade de Deus, e só então nos casarmos. O fato é que hoje em dia precisa ter estrutura financeira para fazer um “bom” casamento, e se esquece muito facilmente que a estrutura verdadeiramente necessária para contrair bodas são as invisíveis. A fé, a confiança e esperança são as verdadeiras estruturas indispensáveis para o matrimônio. Há de se ter em mente o real sentido do sacramento do matrimônio e as suas finalidades. Qualquer casamento que não tenha por fim precípuo a criação e a educação dos filhos para Deus não é verdadeiro matrimônio, e não é digno deste nome. Devemos nós pensar em todas estas questões antes de começar a pensar nas questões financeiras.

    Queria eu ter a confiança das grandes santas, mães de família, que enfeitaram os tempos de outrora. Queria ter a confiança que leva ao abandono nos braços do Salvador.

    Sei que as dificuldades de agora nem se comparam às que virão quando me casar, mas sei também que Nosso Senhor estará comigo, e é isso que me faz desejar ardentemente o sacramento do Matrimônio.

    As dificuldades que venham! E que Nossa Senhora me valha em todas elas.

    Eu faço votos de que você e seu esposo tenham uma vida cheia de bênçãos e alegria. E espero ansiosa pelo relato do dia tão esperado!

    Fiquem com Deus e com a Santíssima Virgem.

    Lucie.

  8. Tb me emocionei muito com o seu texto… sou mãe solteira a 12 anos, hoje estou sozinha sem namorado e o coração vazio neste momento e como doi, sempre desejei ter um lar, e nos ultimos anos agora com mais de 30 anos tenho sentido uma dor muito grande por ter perdido essa familia que antes desejava, digo desejava porque nem sei se a desejo ainda, tenho conciencia do meu erro, de ter tido uma filha fora do casamento, mas o erro maior ter lutado tanto tempo pelo pai dela, e esperado por ele a um matrimônio. Foram muitas brigas, ciumes, pecados e mais pecados e hoje nos restou muitas mas muitas mágoas, inclusive no coraçãozinho de minha filha…. hoje mais que nunca vejo a conta que tenho a prestar com Deus. Mas agora sei que ainda posso reverter essa situação… decidi entrar hoje mesmo em oração, fazer uma confissão bem feita, pedir perdão a todos que magoei inclusive minha filha e em busca claro que com a ajuda do Senhor do meu esposo… peço rezem por mim tenho agora nesse momento a certeza que ainda tem tempo ainda Deus está comigo… Ele tem sido fiel a mim a cada passo que dei, mesmo sendo torto rsrsrs. Quero me alegrar e espera nesse Deus a todo instante e ainda sim ter todos os filhos que Ele quiser me dá e junto com o meu esposo que só o Senhor sabe quem é levar minha familia ao céu. Amém! Abraços a todos rezem por mim pois estarei sim rezando por todos. AMEI ESSE TEXTO COMO ME FEZ CRESCER.

    • Eliane, Salve Maria!

      Tenha fé em Deus que se for bom para sua alma e de sua filha, Ele lhe mandará um santo homem para que juntos vocês formem uma família cristã! Nada é impossível para aquele que crê e confia em Deus!

      Fica com Deus!!

    • Salve Maria, Eliane!

      Que maravilhoso! Na verdade, quem está emocionada sou eu com a sua história. Estarei rezando daqui para que tudo corra bem no seu caminho de restauração e santificação. Pedirei a Nossa Senhora para que encontre um marido zeloso e respeitoso, e que, principalmente, seja verdadeiramente um pai para sua filha!
      Vou mandar alguns textos para você, por este e-mail que colocou aqui no blog.
      Quem sabe pode te ajudar.
      Em Jesus e Maria!

Este blog tem proteção contra comentários com conteúdo impróprio e palavras de baixo calão. Críticas só construtivas. Obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s