A vida no lar – e o trabalho fora dele – Parte 4

486293_382212338531012_557116328_n

Simone de Bouvair costumava dizer que a opção de ficar em casa e cuidar dos filhos jamais poderia ser dada à mulher, pois se assim fosse, “demasiadas mulheres farão esta opção”, o que não interessa à causa feminista. Quase ninguém conhece a afirmação, mas o eco dela está na sociedade como um todo, o que nos faz compreender porque esta vocação sofre ataques pejorativos por todos os lados.

Muitas pessoas, até hoje, continuam acreditando que toda melhoria para a vida das mulheres é fruto de alguma causa, de algum panfleto, de alguma queima de sutiã. Como se apenas a partir da “classe feminista” organizada é que a vida tivesse melhorado para nós. E corremos o risco de fazer uníssono com isto: é comum ver algumas devotadas feministas (especialmente em debates de internet, nas faculdades e meios mais ordinários) repetirem sandices como “agradeçam as feministas por terem um nível superior, por usar a internet.” É lamentável que esse discurso não consiga ser demovido; estamos tão mergulhados na desinformação histórica, que mentiras são ditas a todo instante, e com que direito de bom-senso!

Claro: a estória de não poder utilizar a internet é só uma estratégia das feministas de reduzirem a religião cristã à mesma categoria das religiões tradicionais orientais – estas sim, oprimem, muitas vezes, a mulher, mas não  vejo feministas ocidentais interessadas em defender os interesses daquelas mulheres. No Marrocos, por exemplo, há uma “Lei” que garante ao estuprador de uma menor a opção de se casar com ela, e assim escapar da pena. E tal é a mentalidade por lá, que geralmente a família da moça (a quem cabe a decisão), aceita. Recentemente, uma jovem de 16 anos, obrigada a aceitar estas condições, cometeu suicídio. Quanto a “nós”, a causa está tão ridícula e saturada, que agora elas reclamam o direito de urinar em pé – coisa que elas podiam, lamentavelmente, fazer em privado.

Sinto dizer as feministas (aliás, minto: fico bastante satisfeita) que nossas maiores conquistas foram materiais: se hoje não precisamos mais passar tanto tempo no tanque de lavar roupas, acendendo o fogão à lenha, salgando as carnes para todo um período, entre milhares de coisas do gênero, não foi porque elas nos libertaram do fardo, mas porque o fardo por si só ficou menor com o avanço das tecnologias (e a abrangência do cartão de crédito). Quando a mulher não podia pagar por estas coisas (o acesso a uma máquina de lavar, por exemplo, está bastante democrático atualmente), ela tinha de, invariavelmente, recorrer à outra mulher para que o fizesse em sua residência. Até mesmo as próprias feministas devem às facilidades da vida cotidiana o surto de suas existências: foi o tempo livre, sem dúvida, que pôde produzir estes discursos, já que, séculos atrás, quando a vida era bastante dura, todos estavam ocupados demais, dependentes demais uns dos outros, para pensar em igualdade de funções.

Explico: algumas pessoas se esquecem de como a vida funcionava até bem pouco tempo atrás… olham para o passado e não sabem do que estão falando, porque parece que estão sempre criticando a família dos anos 50, com poucas variantes. Esquecem que tanto a vida no lar, como o próprio trabalho tinham organizações  distintas: da cooperação mútua entre homem e mulher, unidos pela família, dependia a sobrevivência de todos, num mundo onde tudo isso que recebemos tão naturalmente – hospitais, educação, vacinas, saneamento básico, etc., etc. – não existia.  Esquecem que se (quase) nenhuma mulher tinha nível superior, bem poucos (pouquíssimos, aliás) homens o tinham. As mulheres “lutam” para ter uma jornada de trabalho, como o homem “sempre teve”, mas não desconfiam que na verdade, até a revolução industrial, o homem não tinha “jornada de trabalho”,  porque as pessoas – incluindo as mulheres – trabalhavam em períodos, frequentemente em estações, cada qual de acordo com a função que desempenhavam. Esta coisa de “sair de manhã e voltar à noite”, que nossas contemporâneas tanto desejam, é algo absurdamente novo, de todos os pontos de vista, e também indesejável de todos os pontos de vista – pelo menos, para as mães.

Nesta quarta parte de minhas reflexões, venho tocar em alguns pontos que permaneceram em aberto, após alguns questionamentos que recebi via mensagens, e mesmo perguntas feitas diretamente. Uma delas, bastante pertinente, porque pode ser a dúvida de muitas, será formulada da seguinte maneira: “Se o ideal é que a mulher fique em casa e cuide dos filhos, então por que pensar em formação acadêmica ou profissional para as moças?

A pergunta não é apenas simplista, ela é também carregada de radicalismo. Temos que ter muito cuidado com tais corolários: eles podem , aparentemente, resolver nossos dilemas, mas fatalmente não sobrevivem no mundo real. Por que estou dizendo isto? Porque não raro tenho visto mulheres defenderem um comportamento ultra-anacrônico, de não sair de casa para fazer qualquer atividade semelhante, sob pena de não estar sendo a “mulher ideal”- ou seja, aquela que fica apenas em casa, lavando, bordando e servindo a mesa para 13 filhos. Bem, se tal mulher realmente existiu, ela contava com a enorme vantagem de não ter toda esta consciência de classe que nossas atuais senhoras anacrônicas têm – e isto lhes dava a tranquilidade de serem ordinárias num mundo ordinário. Elas eram mulheres comuns. E precisamos, antes de tudo, compreender de fato o que isto significa.

Respondo de modo direto (como, aliás, já respondi várias moças e senhoras): demonstra-se, por muitos motivos – e isto levando em consideração não uma regra quinhentista, mas a própria configuração do mundo atual – que continua sendo ideal, melhor e mais saudável para todas as partes envolvidas [esposa, esposo e crianças], que a mãe se dedique aos filhos, especialmente enquanto pequenos e totalmente dependentes dela, o que se faz mais adequadamente quando ela dispõe de tempo, coisa que o trabalho – mas, preste atenção, o trabalho do modo padrão na sociedade industrial – não contempla. Refiro-me ao emprego diário, a jornada média ou longa, que ocupa e afasta a mãe deste lar.  Se por um lado, contamos com toda a facilidade material do mundo moderno, por outro, o aspecto emocional da família continua necessitado da presença e disponibilidade desta mãe. Eu diria mais: nunca, como hoje, se torna tão plausível. E é por isto – e não por mero saudosismo de “como as coisas costumavam ser”, é que se torna compreensível que se fale do papel desta mãe católica dentro da família, nos termos em que se discute aqui.

Devemos ser sensatos o suficiente para conferir à outra questão o mesmo rigor: a plausibilidade da formação da mulher na nossa sociedade contemporânea. É bom, útil, necessário e até indispensável que a mulher estude e saiba alguma profissão?  Sabemos que sim, e o por várias razões,então, sinceramente, de onde vem a dúvida? De onde vem essa vontade de ser “perfeito” até nos detalhes da louça, quando neste mundo não somente acabaram as ocasiões para os chás, mas as próprias ervas são desconhecidas? Não é somente anacrônico, é insustentável que aprovemos o raciocínio daquelas e daqueles que aparentemente “não vêem motivos” para uma moça ingressar na faculdade ou aprender um ofício, se pretende casar. O que acontece, então, se não se casa? Antes, a mulher que caía na má sorte de não se casar, era mais vista como desgraçada pelo fato de não poder sustentar a si mesma e acabar sendo responsabilidade da família ou ao menos condenada à uma vida extremamente penosa, que por não encontrar meios de seguir  a vocação que sonhava. Não há justificativas, atualmente,para não proporcionar à sua filha estudo e profissão, e não apenas pela incerteza do casamento: vale a pena fazê-lo porque tudo isso é acessível, bom e útil, de muitas maneiras, que não apenas uma ocupação na carteira de trabalho.

Estudar e fazer faculdade é algo que acrescenta em diversos âmbitos, inclusive na vida do lar. Eu tive a oportunidade de fazer faculdade, o que sem dúvida me ajudou em muitos aspectos (conhecer o marido,por exemplo), e o principal deles é ensinar muitas coisas para os meus filhos e para as pessoas ao meu redor, em especial as mães que educam em casa.  Eu entendo perfeitamente uma mulher que se case antes disto acontecer na sua vida, ou decida fazê-lo quando acha que tem oportunidade na vida de família, ou então que simplesmente não tenha interesse nisso, assim como é natural que os planos sejam abandonados no meio do caminho, quando acontece o matrimônio e os filhos vêm. Todas estas possibilidades são boas, de acordo com a vida pessoal que cada uma de nós pode e irá levar. Não nos esqueçamos, também, que nas sociedades antigas, longe de ser uma ociosa, a mulher encontrava espaço para se “formar” em muitas coisas: algo que atualmente só poderíamos suprir com estudos e cursos – alguém comentou, com razão: em certos meios sociais, a mulher antes era tão bem formada em artes e literatura, que nossos atuais diplomas de faculdade não chegam nem perto. Ademais, é notório que se em tempos de crise, a mulher “de antigamente” seria capaz de ajudar seu marido no sustento do lar, com sua própria iniciativa ou sua força de trabalho, atualmente, se não fornecemos estudo e profissão, a mulher moderna não poderá fazer nada senão lamentar.

Tenho certeza de que muitos de nós admiram o modo como nos parece que as sociedades antigas se organizavam, com cada um cumprindo seu papel de forma diversa, mas a matemática não é tão simples quanto supõe nossa deficiente compreensão: certamente há maneiras muito mais razoáveis de demonstrar reverência a um passado simbólico, que não repetindo um padrão de comportamento, na melhor das hipóteses, insincero.

Como eu afirmei nas partes anteriores, há muitas razões para que a mãe de família permaneça no lar, quando se têm essa possibilidade, e tão nobres são estas razões, que devemos lutar por esta oportunidade quando as coisas não são tão favoráveis. A permanência da mulher no lar já foi uma questão crucial de sobrevivência; se hoje, dadas as facilidades do mundo industrial, isto já não é assim, criou-se uma outra demanda, e é precisamente sobre esta demanda que minhas reflexões se direcionam. Uma das razões pelas quais não se consegue convencer muitas mulheres da importância de sua presença no lar e na vida integral de seus filhos pequenos é que ela não entende no que consiste sua indispensabilidade, uma vez que quase tudo pode funcionar sem ela; nesse sentido, o discurso anacrônico, que simplesmente deseja obrigar a mulher a repetir um modelo de sociedade antiga, quaisquer que sejam as condições, só as afasta dos reais motivos que temos hoje.

Eu acredito que neste século iniciou-se um importante debate sobre toda essa questão, porque mulheres em situações emblemáticas – chefes de multinacionais, popstars, líderes de governo –  estão retornando ao lar, abandonando carreiras, diminuindo o ritmo e mandando uma mensagem para o mundo. Esta mensagem não pode ser reduzida a “Nunca deveríamos ter escutado as feministas e abandonado nossos lares!“, porque não foram as feministas nem as únicas e nem mesmo as principais responsáveis por toda esta grande transformação que nossa sociedade passou nestes dois séculos; não pode ser reduzida a este slogan porque correríamos o risco da decepção ao ver que esta atitude não significa refazer tudo como um dia foi feito – mas, antes de tudo, é um alerta de que existe uma enorme demanda da presença da mãe no lar, uma demanda que é completamente deste século, é nossa e é eterna, é a demanda de Deus, que , com toda certeza, nos fez co-ajudadoras do homem, em todas as circunstâncias. Quando a mulher olha para a sociedade contemporânea, ela pode chegar à conclusão de que não é mais tão indispensável assim – mas é somente quando ela olha para Deus é que consegue tomar dimensão do que ela pode realizar dentro dos planos Dele, com as condições que temos agora.

Estas “facilidades” do mundo moderno nos permitem muitas coisas. Acho que estamos,enquanto mulheres e mães, aproveitando mal o fato de que indiscutivelmente ganhamos tempo para realizar muitos projetos,especialmente com nossos filhos. E até mesmo a nível profissional, há muito a ser feito: coisas e vias completamente novas – a médio e longo prazo. Querem exemplos? É difícil imaginar como uma mãe de família poderia conciliar o emprego diário na indústria com suas obrigações domésticas, mas não há obstáculo que a impeça de ser uma boa decoradora, o tipo de profissional liberal que faz seus próprios horários, trabalha por períodos e está com a família na imensa maioria do tempo. Sim, porque também não se trata de privar a mãe de qualquer individualidade ou tempo apenas dedicado à si mesma… isso é importante, é algo que foi imprescindível em todas as épocas. Há coisas essencialmente femininas, que sempre foram de nossa alçada e organização, e está muito equivocado o pensamento daqueles que acham que apenas os homens trabalharam, quase como se a nós só restasse consumir os produtos! Algumas coisas permanecem essencialmente masculinas, no que tocam as profissões, por exemplo, mas mesmo esta parte, ainda que de predominância dos homens, encontra um espaço para nós imprimirmos nossa rica contribuição. Apenas temos de estar atentas à nossa vocação e ao que nos é próprio, e então pararmos de perseguir a “carreira”, nos mesmos parâmetros que os homens…

São coisas que costumam ocupar meus pensamentos, e espero dividir com vocês muitos outros pontos em textos futuros.

Anúncios

4 comentários sobre “A vida no lar – e o trabalho fora dele – Parte 4

  1. Gostei muito dele e quero compartilhá-lo no facebook. É possível?
    Se tiver algum blog que trate de roupa masculina decente, também agradeço a sugestão.
    Grato, desde já.

  2. Gostei muito do texto. Sempre venho aqui e leio o você escreve. Achei seu blog fazendo uma pesquisa sobre parto normal e encontrei o relato de parto de sua filha.
    Eu também concordo que a mulher não precise assumir uma jornada de 8 horas de trabalho para ajudar o marido. Conheço mulheres que vendem bolos, salgados, revistas de cosméticos, costuram, fazem artesanato. Porém, poucas conseguem o sucesso que o mundo espera; tipo, que ela se torne uma mega empresária. Não quero dizer que tem que ser assim, no entanto, há uma pressão para você ter “sucesso” na vida.

  3. Ola Luciana, adorei seu blog, suas questoes sao muito pertinentes pra nos mulheres que vivemos esse dilema, gostaria de compartilhar minha experiencia. Sou fisioterapeuta e tbm trabalhava em home office na area de comercio exterior, embora tivesse uma agenda flexivel queria ocupar todo o tempo livre com trabalho, detestava atividades domesticas e delegava meus filhos as escolas em periodo integral (tenho 2 meninos de 4 e 8 anos)… hoje depois de muitas cabecadas encontrei um ponto de equilibrio , tenho o meu consultorio em casa e atendo enquando minhas criancas estao na escola no periodo da tarde, tenho em minha consciencia que meu trabalho nao eh a minha prioridade eh mais uma conciliacao do que obrigacao, com isso encontro a paz que preciso para cuidar do lar e da familia. Grande Abraco, gostei muito dos teus vestidos…

Este blog tem proteção contra comentários com conteúdo impróprio e palavras de baixo calão. Críticas só construtivas. Obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s