Livros: nossos guias para educação religiosa de crianças

No post Planejamento para 2015: pré-escola indiquei os livros que trabalharemos durante este ano na educação religiosa dos meus filhos.

Vocês certamente notaram que lá no post estão presentes livros de História Sagrada: bíblias de diversas editoras, livros com histórias religiosas, etc. Como Lupita e Dimi são muito novos, estão na fase de conhecer a história religiosa e não tanto de receber o catecismo formal sobre as verdades da fé e a moral. Obviamente, a História Sagrada introduz os temas do catecismo e muitos deles são apresentados já neste momento, mas de maneira mais contextualizada.

Neste post, quero indicar alguns livros que utilizei durante o período em que me dediquei ao ensino do catecismo para crianças, jovens e adultos. Adquiri alguns deles inicialmente para minha própria instrução, mas depois passei a utilizá-los nas aulas do catecismo: são livros que trago no coração, por terem me ajudado a compreender melhor a minha fé e poder transmiti-la para os meus alunos – alguns deles até hoje voltam a mim para contar como determinados temas ficaram marcados nas suas memórias, pela clareza da explicação e seriedade. Nada disso, é certo, por mérito meu, mas por tão bom material que Nossa Senhora me entregou.

Espero que os livros sirvam igualmente bem à vocês.

***

História Sagrada para uso das escolas e das famílias – escrito pelo Irmão Isidoro Dumont. Editora Paulo de Azevedo Ltda. Ano: 1950

10966517_374941769343279_1602908201_n

Este livro é simplesmente fabuloso. Compreende a História do povo de Deus (Antigo Testamento), a Vida de Nosso Senhor Jesus Cristo e a História da Igreja até o ano do livro (1950).

Eu utilizava para preparar as aulas de História Sagrada e da Igreja. Não o lia diretamente para os meus alunos por conta da linguagem que nem sempre é tão acessível para as crianças de hoje. Então, eu costumava preparar textos adaptados a partir dos capítulos do livro.

O que torna este livro muito rico é que ele sempre traz um vocabulário extenso antes de cada capítulo, para tornar mais clara a compreensão do texto e para trabalhar a língua portuguesa com os alunos. Além disso, no rodapé de cada página há questões relacionadas com o tema que está sendo lido, para que os pais e professores possam exercitar as crianças nos assuntos sagrados.

Confesso que é um dos livros que mais gosto de usar para preparar lições de catecismo.

***

Catecismos do Padre Álvaro Negromonte. Aqui em casa tenho: 1. A Doutrina Viva (para a 2ª série ginasial). Editora José Olympio. Ano: 1959. 2. O Caminho da Vida – Moral Cristã (para a 4ª série ginasial). Editora José Olympio. Ano: 1953.

10968252_374941752676614_1994210048_n 10965431_374941739343282_256841254_n

 

 

 

 

 

 

 

 

.

O padre Álvaro Negromonte é muito conhecido entre nós. Um escritor extremamente produtivo, escreveu inúmeras obras sobre educação católica. Posso dizer que todos os livros que li deste autor me esclareceram muito. No entanto, o considero um divulgador da educação e moral católica e por isso as vezes não se aprofunda muito em determinadas questões ou as apresenta com termos vagos, que não facilitam a compreensão – principalmente nos livros voltados para o público adulto. Os seus melhores livros são os catecismos das diversas séries escolares. Esses catecismos sempre trazem questionários ao final de cada capítulo, que podem ser trabalhados com os alunos das mais diversas formas. Muitas vezes eu mudava as questões em trabalhos com cartazes, confecção de livrinhos sobre o tema, etc.

***

Catecismo Católico e Popular (em 3 volumes) – escrito pelo Padre Francisco Spirago. União Gráfica Editora. Ano: 1951.

10965480_374941572676632_1505606387_n 10968281_374941582676631_1487150035_n 10961937_374941762676613_328649435_n

Posso dizer, sem sombra de dúvidas: o meu predileto! O Padre Francisco Spirago foi, certamente, inspirado por Deus ao escrever este catecismo em 3 volumes: dogma, moral, graça. O pe. Spirago quis apresentar Nosso Senhor como Doutor (no 1º livro), como rei (no 2º livro) e como pontífice (no 3º livro). O que considero um feito marcante neste catecismo é o fato de ter sido impresso em 3 tamanhos de letras: as letras grandes seriam o esqueleto, as letras médias seriam os músculos, e as letras pequenas seriam como o sangue. As partes em letras grandes bastariam para os principiantes; bastariam ainda para crianças de idade mais avançada, mas que não conseguem alcançar uma compreensão mais detalhada da fé – pessoas mais simples, que creem de maneira simples. As partes em tipo médio são destinadas as crianças mais adiantadas. As partes em tipo miúdo são destinadas aos pais que educam religiosamente seus filhos, para que meditem e tenham a compreensão da doutrina cristã.

Os catecismos do pe. Spirago estão presentes na minha vida desde minha conversão e nunca deixaram de responder às minhas dúvidas e inquietudes. São bons em todos os sentidos e são ótimos para utilizar na educação religiosa das crianças. Nas minhas aulas utilizei as partes em letras grandes para guiar os temas das aulas; e quando me parecia necessário dar exemplos, recorria às partes em letras médias e pequenas. É um catecismo completo!

Essas são algumas indicações para educação religiosa. Ainda há outro catecismos muito bons, como os Luz do Céu (dos Salesianos) e as obras do pe. Boulanger. 

Em breve voltarei ao tema! Fiquem com Deus!

Anúncios

Inscrições abertas! Faça parte do curso Pedagogia Católica para aplicação das Famílias!

Salve Maria!

BannerInscriçõesAs inscrições para o curso Pedagogia Católica para aplicação das Famílias estão oficialmente abertas! Neste post quero detalhar um pouco mais do que você encontrará no curso. Se trata de um curso online, que acontece no nosso site de ensino à distância (www.chamasdolar.gmembers.com). Você pode acessá-lo do computador, celular, tablet, etc.
A partir do momento em que você adquire o curso, passa a ter acesso total, podendo fazer download das aulas e assistir no seu ritmo.
E terá nosso suporte por e-mail pelo tempo que precisar. Se, por exemplo, daqui há 6 meses você nos enviar uma dúvida, te responderemos sem restrições.E o que você precisa fazer para participar deste curso? Apenas sua inscrição, com o custo de R$270. Este valor pode ser parcelado em até 12x no cartão de crédito.

***

Como se inscrever: basta clicar numa das opções abaixo e efetuar o pagamento.
 

Clique aqui para pagamento parcelado em até 12x
Clique aqui para pagamento à vista no cartão de crédito
 
Para pagamentos à vista por débito em conta*, estamos dando um desconto de 11%: R$240. Caso prefira esta opção, entre em contato conosco aqui pelo e-mail (chamasdolar@hotmail.com).
*(Não faça o pagamento via boleto, do contrário perde o desconto)
Assim que o pagamento for confirmado, você receberá login e senha no seu e-mail para começar a assistir às aulas. 
***
O curso é composto por 2 módulos, com 12 aulas no total:
Módulo 1 – Teórico
Aula 1 – Introduzindo nosso assunto

Aula 2 – Filosofia Pedagógica do Catolicismo:

I. Pedagogia Total
II. Universalismo Sintetizante
Aula 3 – As 7 leis da Filosofia Pedagógica do Catolicismo (de acordo com o Beato Newman)
Aula 4 – Regras de Vida: Intelectual, Social, Moral, Ascética e Litúrgica
Aula 5 – Uma breve reflexão histórica (aula em 2 partes) 
Módulo 2 (Prático)
Aula 6 – Parte 1: Tendência Humanística e Tendência Científica; Parte 2: Sugestão de Atividades
Aula 7 – Programa de Estudos
Aula 8 – Educação da Vontade (aula em 2 partes)
Aula 9 – Vida Litúrgica em Família
Aula 10 – Temas de Educação Infantil e Juvenil
Aula 11 – Exercícios para Educação Intelectual Juvenil
Aula 12 – Reflexão Final sobre o curso
 
O curso acontece por vídeo-aulas gravadas sobre os temas propostos acima. Os alunos receberão também material em pdf referente a algumas aulas.
Há também material extra com atividades e planilhas de planejamento.
 
Caso tenham alguma dúvida, mande-nos um e-mail (chamasdolar@hotmail.com).
Fiquem com Deus,
Luciana

Inscrições para o curso Pedagogia Católica para Aplicação das Famílias – Nova turma!

Salve Maria!

Como a maioria de vocês já sabe, Luciana e eu criamos o curso Pedagogia Católica para aplicação das Famílias e o oferecemos pela primeira vez no segundo semestre do ano passado. Agora, decidimos reabrir as inscrições para o curso, criando assim a segunda turma (e última: explico no final desse post).

As inscrições serão abertas no dia 26/01 (segunda-feira) e colocaremos o link para inscrição aqui no blog. Mas, as primeiras pessoas que receberão esse link serão as que estiverem cadastradas na nossa lista de e-mails (newsletter) no site http://www.chamasdolar.com. Para garantir sua vaga, é interessante que você se cadastre lá e receba o link em primeira mão :).

Neste curso damos uma visão geral sobre as ideias pedagógicas do Catolicismo, abordando seus aspectos teóricos e práticos. Tudo isso apoiado no Magistério da Igreja, nos escritos de santos e renomados estudiosos católicos (abaixo, você verá uma lista com alguns dos temas das aulas).

O curso acontece na nossa plataforma de ensino online http://www.chamasdolar.gmembers.com.br, de modo que você pode participar de qualquer lugar do mundo! Um curso em 12 aulas + aulas e material extra, além de todo o suporte para dúvidas via e-mail.

BannerVendasAlguns dos temas das aulas:
  • Visão Geral da Filosofia da Educação Católica
  • Leis da Educação Católica (baseada nas ideias do Beato Newman)
  • Breve História da Educação Católica
  • Pedagogia  Católica como Regra de Vida Intelectual, Moral, Ascética e Litúrgica
  • Como Ensinar Moral
  • Vida Litúrgica em Família
  • … entre outros.

Valor do curso: R$270 (pode ser parcelado em até 6x)
bannercapa

Como disse acima, será a segunda e provavelmente a última turma do curso. Nos empenhamos muito em preparar este curso e confesso que me surpreendi com o resultado: o tema é excelente e vastíssimo, dando margem para discussões importantíssimas sobre a educação em geral. E isso aconteceu de tal modo que nos vimos envolvidos em vários outros projetos que derivaram da preparação do curso. Assim, decidimos nos dedicar neste ano de 2015 a desenvolver esses outros projetos (que surgiram como reflexões a partir do curso): produção de material didático, livros, apostilas, etc.

Isso quer dizer que não estamos encerrando as atividades do Chamasdolar.com, mas sim ampliando-as e tentando produzir conteúdos que possam ser aproveitados a partir do curso. Então, nosso papel agora será tentar dar o complemento para aquilo que explicamos nas aulas de Pedagogia Católica para aplicação das Famílias.

Eu disse provavelmente, pois essa não precisa ser uma decisão definitiva, mas que já está tomada para o ano de 2015. Neste ano não abriremos mais turmas para o curso. Mas, como disse, é por um motivo igualmente bom!

Então, aproveite a oportunidade de estar conosco nessa nova turma e discutir sobre a Educação Católica!

Fique com Deus,

Vladimir

A sabedoria que desprezamos: ou, o que as canções de ninar podem nos ensinar sobre educação

Por Vladimir Lachance

Salve Maria!

547805_256397161179242_2080404418_nVocê já cantou o “boi da cara preta” para seu filho hoje? E você já se perguntou alguma vez quando esta singela canção foi criada? Quem é o seu autor? Creio que, como eu, você nunca nem sequer tinha pensado no assunto.

Pois é… eu me peguei pensando nestas coisas essa semana. Mas, com a agenda cheia de trabalhos, acabei deixando essas dúvidas no fundo da mente e voltei para minha rotina. Acontece que toda vez que eu pegava o Dimitri no colo e começava a cantar a monótona canção de ninar, as dúvidas voltavam e se misturavam à letra…

Então, assim que coloquei o pequeno no berço, me pus a pensar no assunto novamente. E percebi que eu tinha uma outra dúvida, que me parecia anterior a todas as outras e mais importante: porque cantamos essa canção, que nem sabemos quando foi criada e nem por quem? Porque minha mãe, minha avó, talvez minha bisavó, etc., cantavam o “boi da cara preta”?

Passei a refletir sobre isso… E pensei em todas as outras canções de ninar. Como todas são monótonas, geralmente entre tons médios e graves, sem muitos altos e baixos e quase sem variação de volume. Pensei, ao mesmo tempo, nas tentativas modernas de criar novas canções de ninar: aqueles cds chatinhos com versões de mpb ou rock para bebês, com xilofones e vozes meio Fernanda Takai; uma moda que só pegou entre gente ávida de novidade, que acha que inovar é dar o melhor para os seus filhos. Em geral, as pessoas ainda continuam ninando seus filhos com as velhas e desanimadas canções de suas avós.

E o que isso quer dizer? Deve haver alguma explicação – para além da preguiça e do costume – para nos mantermos tão fiéis a essas senhoras canções. A resposta, um tanto óbvia mas reveladora: elas foram testadas durante séculos e funcionam.

Podemos dizer o mesmo dos contos de fadas e demais histórias infantis, das poesias para crianças e das brincadeiras… todas sem autores, sem data, e altamente eficazes!

E, ao notar isso, me dei conta de que, mais do que coisas antigas, as histórias, contos e músicas infantis são, sobretudo, tradicionais. Pio XII definiu a tradição como

“(…) um dom que passa de geração em geração; é a tocha que, a cada revezamento, um corredor põe na mão do outro, e confia-lha sem que a corrida pare ou diminua de velocidade. Tradição e progresso reciprocamente completam-se com tanta harmonia que, assim como a tradição sem o progresso se contradiria a si mesma, assim também o progresso sem a tradição seria um empreendimento temerário, um salto no escuro.”

Então, quando você cantou “boi, boi, boi, boi da cara preta…”, você pegou a tocha das mãos da geração anterior e acreditou que estava fazendo a coisa certa.

pioxii

Agora, faça a mesma reflexão sobre a educação dos seus filhos. Porque, quando se trata de educação, corremos atrás de novidades, de slogans que prometem milagre, e dos métodos mais revolucionários? Porque olhamos para o nosso passado educacional e o ignoramos?

No caso da educação, obviamente, o problema é mais profundo e difícil de enxergar. Eu, por exemplo, não entendo “passado educacional” como o tempo dos nossos pais ou avós, pois eles conheceram uma realidade escolar já moldada de uma maneira muito parecida com a nossa. Quando penso no passado aqui, estou pensando em coisas como educação clássica, trivium, jesuítas… uma série de ideias educacionais que nos são um tanto desconhecidas.

São essas ideias que se relacionam com a tradição, entendida como uma sequência ininterrupta de tentativas e erros, que foi se aperfeiçoando e formando modelos educacionais de excelência.

Muitos de nós desconhece a existência de algo como o trivium, que nada mais é do que uma forma de educar bimilenar, que passou por uma série de melhorias ao longo dos séculos, a partir da experiência de ensino de diversos homens e instituições. O trivium começou a ser formado entre os gregos e romanos, passou pelas mãos de Santo Agostinho e sofreu algumas reformulações… depois trilhou um longo caminho até chegar ao seu formato “padrão”, na Idade Média. Mas, não parou por aí: superou o período medieval e entrou no mundo moderno, recebendo um novo tratamento com o trabalho dos jesuítas. Ou seja, o trivium é aquilo que podemos chamar de modelo tradicional de educação, que foi transmitido de geração em geração, e, cada uma delas melhorou e expandiu esse modelo, até atingir a excelência.

Muitos desconhecem… outros conhecem, mas tomam o trivium como algo histórico, que foi aplicado lá atrás e que já não cabe a nós. Mas, a verdade é que existem muitas famílias – inclusive aqui no Brasil -, que educam seus filhos através do trivium e obtêm resultados maravilhosos.

Então, convido você a refletir sobre a educação dos seus filhos. Pense nisso! Se pergunte porque deixamos tanta coisa pra trás e porque não nos esforçamos para resgatar tudo isso: um legado gigantesco, que passou pelas mãos de grandes educadores e santos católicos… e, que, infelizmente, está como que no fundo do mar, distante dos olhos da maioria; acessível somente àqueles que se arriscam a mergulhar tão fundo para vislumbrar nem que seja o brilho deste tesouro.

A riqueza da Pedagogia Católica: uma pequena amostra

Salve Maria!

Como sabem, estou ministrando o curso Pedagogia Católica para Aplicação das Famílias. Estamos na fase final do curso, em que tratamos de questões mais práticas da pedagogia católica: então, nesta parte do curso abordamos muito a questão dos métodos, atividades e técnicas de ensino.

Todas as ideias sobre esses temas são baseados no que os grandes educadores católicos propuseram para a prática de ensino: Santo Tomás de Aquino, Hugo de São Vitor, os Jesuítas, etc.

Tem sido uma experiência muito rica para os alunos do curso, mas – acreditem! – para mim também. Aprendi muito ao preparar este curso, pois, apesar de já ter contato com a educação católica e estudá-la a algum tempo, agora tive a oportunidade de sistematizar tudo que havia estudado. E me surpreendi com a quantidade de assuntos!

Mas, acima de tudo, me surpreendi ao me dar conta de como a Pedagogia Católica é completa e abarca toda a realidade da educação dos estudantes: intelectual, moral, espiritual, artística e física.

Gostaria de compartilhar todo este conteúdo maravilhoso com vocês, mas eu teria que escrever um sem-número de postagens para dar uma introdução mínima ao assunto. Então, selecionei um trecho de uma das aulas do curso com diversas sugestões de atividades baseadas na Pedagogia Católica e estou disponibilizando para vocês.

Quem sabe, num futuro não muito distante, eu consiga transmitir este conteúdo tão precioso de uma maneira mais rápida e eficaz para vocês… Enquanto isso, fiquem com o vídeo!

Espero que gostem!